facebook-logo instagram-logo vimeo-logo issuu-logo phone-button (11) 2337 3015

Exposição Coletiva - Pigmento

Exposição Coletiva - Pigmento

"a arte não tem qualquer tarefa a

desempenhar no contexto social, moral ou

intelectual. Na sociedade, o artista tem

apenas a tarefa de manter vivo um

sentimento de humanidade”

Lucio Fontana

O PIGMENTO é formado por dezesseis artistas; dezesseis diferentes trajetórias que há alguns meses se encontram para pensar o mundo das "coisas vagas”, como dizia Paul Valéry. Convém dizer que "coisas vagas” sejam as artes, política, literatura, filosofia e como elas nos envolvem e afetam, colocando em destaque o que há de humano em nós.

Desta forma, este pensar é um exercício de liberdade que, em uma época de incertezas, busca referências fugindo ao previsível e ao convencional.

Quase um paradoxo, portanto, já que buscamos no próprio tempo em que vivemos, nesse incerto,o que nos pode guiar.

A pintura foi o meio, mas também o fim, utilizado por esses artistas para atingir o humano através da experiência. Não uso aqui a palavra experiência com o sentido de acúmulo cronológico, mas sim, e me socorro em Merleau-Ponty, como

...permanente iniciação aos mistérios do mundo.

O PIGMENTO é, por si só, uma forma desse humanismo contemporâneo: um pouco desencantado, desconfiado das utopias clássicas mas acreditando que algumas ainda existem e podem tornar-se realidade, procurando não um sentido para a vida mas a existência como sentido, deixando, como na frase de Lucio Fontana, à arte apenas seu próprio fardo para carregar.

Essa é a primeira exposição do PIGMENTO.

Gosto como soa essa frase, mas gosto mais do que ela representa.

Texto de Marcelo Salles